AdCL aproxima municípios e escolas ao projeto “O Mar começa aqui”

Estabelecidos os contatos com os acionistas, visando o seu envolvimento no projeto “O Mar Começa Aqui”, decorrem atualmente as ligações com os agrupamentos escolares, na área de intervenção da empresa, visando a formalização das inscrições das escolas a participar no projeto educativo.

Além de fomentar o envolvimento e participação das escolas, alavancando a sua inscrição, até ao dia 28 de fevereiro, a AdCL assegura ainda o apoio e disponibilidade às escolas na realização de iniciativas de sensibilização ambiental junto da comunidade.

Recorde-se que a renovação da parceria de colaboração ambiental entre a AdCL e a ABAE, no âmbito da campanha "O mar começa aqui", por ocasião do dia Mundial do Saneamento, no passado dia 19 de novembro, visa o reforço da literacia ambiental, incitando a comunidade na adoção de comportamentos e atitudes sustentáveis, no que respeita à valorização do meio ambiente.

A AdCL promove a participação dos municípios servidos em iniciativas de comunicação e educação para o desenvolvimento sustentável, como é o caso do projeto “O Mar Começa Aqui”, visando a compreensão da necessidade de preservação dos ecossistemas e da biodiversidade em geral, e da qualidade da água doce e salgada em particular.

Na área de intervenção da AdCL o projeto "O Mar começa aqui" conta com a inscrição e participação de 17 municípios. Visando o apoio à participação das escolas, a AdCL tem vindo a agilizar contatos junto dos respetivos agrupamentos escolares, convergindo esforços em prol da inscrição das escolas a participar, apresentação da oferta educativa em curso a marcação de iniciativas de consciencialização ambiental para temática em apreço.

Recorde-se que as sarjetas de passeio e os sumidouros são importantes dispositivos de entrada de fluxos de água, dado que garantem o acesso das águas pluviais às redes de drenagem. Contudo, são também, frequentemente, objeto de deposição de resíduos, quer decorrentes do arrastamento das águas da chuva, quer decorrentes da atividade humana, como óleos alimentares e beatas.

Considerando as contingências sociais impostas pela pandemia por COVID-19, a empresa assegura a educação da comunidade para uma cidadania ativa, através de iniciativas de consciencialização, em formato digital, incitando os jovens a passar a mensagem de que “tudo o que cai no chão, vai parar ao mar”, junto de toda a comunidade.

Este e outros projetos educativos, elencados pela AdCL, visam o estímulo da criatividade, originalidade das gerações futuras, simultaneamente ao fomento do contato e desenvolvimento da arte, nomeadamente, a pintura, a música e o teatro, na promoção da literacia dedicada ao desenvolvimento sustentável.

A AdCL assegura a continuidade dos projetos educativos em curso, cultivando a implementação de estratégias de cooperação entre escolas e autarquias para a promoção da sustentabilidade ambiental.

Além da consulta do regulamento desta iniciativa, disponível para consulta, clicando aqui, importa recordar as fases e datas do projeto “O Mar começa aqui”, a ter em conta pelos participantes institucionais:
31 de janeiro: inscrição do município interessado em participar;
Até 28 de fevereiro: o município divulga e convida as suas Eco-escolas a participar;
28 de fevereiro: data limite de inscrição das escolas;
19 de março: data de submissão do desenho/protótipo a pintar nas sarjetas;
12 de abril: aprovação dos protótipos;
Até 8 de junho: (Dia Mundial dos Oceanos) realização das pinturas;
Até 15 de junho: submissão das fotografias das pinturas.

AdCL e CHUC consciencializam comunidade para o Valor da Água

No âmbito da parceria de colaboração ambiental, entre AdCL e o serviço de Formação Profissional da Unidade de Reabilitação do CHUC, E.P.E. – Pólo Sobral Cid, no passado dia 20 de janeiro, a empresa promoveu uma videoconferência dirigida aos formandos, subordinada à temática “formação em sensibilização ambiental”.

Sob o mote “Não paramos”, esta iniciativa de consciencialização ambiental permitiu aos formandos conhecer os serviços essenciais prestados pela AdCL, junto da comunidade, assegurando que a água chega diariamente às torneiras de todos e para proteger a saúde pública e o ambiente.

Mergulhar no conhecimento do Ciclo Urbano da Água, fruto das visitas virtuais, num formato 360º possibilitou aos presentes, sem sair do local, conhecer detalhadamente como funciona uma ETA e ETAR.

Na fusão entre a tecnologia e os novos media, percorreram e visualizaram, em 3D, todas as fases que a água percorre nestas instalações, seja para a água ser adequada para o consumo humano, seja para a água residual ser tratada para a reutilização ou rejeição, nas condições adequadas.

Visando a interatividade e sentido de pertença dos formandos para com a missão preconizada, diariamente, pela empresa, conheceram e interagiram com a campanha de educação para o desenvolvimento sustentável, o Valor da Água, consciencializando para as preocupações com o planeta, com a sustentabilidade e com os recursos hídricos.

Pelo Valor da Água, recorrendo à criatividade e inovação, os formandos desenvolveram um conceito criativo, incentivando à alteração de comportamentos e atitudes em prol da valorização da água.

Visando a mudança de comportamentos, o projeto desenvolvido, com a participação de todos, balizou a explicação de pequenos gestos em prol da gestão eficiente da água, apelando à consciencialização de cada utilizador de alguns hábitos simples que todos podemos adotar, vivendo de uma forma mais sustentável e contribuindo para um mundo melhor para todos.

Esta iniciativa insere-se no âmbito do Plano de Educação Ambiental , intitulado “Água, Valorizar para a sustentabilidade”, apresentado junto dos acionistas da empresa.

Continuamos ON, a tratar a água essencial ao futuro de todos.

AdCL assegura sensibilização ambiental online

As iniciativas de comunicação e educação para o desenvolvimento sustentável, promovidas pela AdCL, em regime virtual, reforçam a interatividade e proximidade junto da comunidade, ultrapassando as limitações físicas e temporais.

As atividades virtuais, em formato de videoconferência, promovidas através do Microsoft Teams, em alternativa às ações presenciais, limitadas pela pandemia por Covid-19, afirmam a continuidade da interação dos stakeholders com a missão da empresa.

«Não é o meio que determina se o ensino é efectivo ou eficiente, mas antes o método», Paul A. Kirshner & Carl Henrick, How Learning Happens, Routledge 2020.

A sensibilização à distância, fruto da simbiose entre as novas tecnologias e os novos media, permite (re)criar iniciativas online dedicadas à “Água, Valorizar para a sustentabilidade”, Plano de Educação Ambiental apresentado junto dos acionistas da empresa.

Este projeto permite ainda reforçar a importância e conhecimento do serviço prestado, garantindo a gestão integrada do ciclo urbano da água, um trabalho contínuo, e por vezes invisível aos nossos olhos.

Diariamente, os profissionais da água, asseguram a captação e tratamento de água para consumo humano, em quantidade e com qualidade, e garantir que depois de usada, a água possa ser reutilizada ou devolvida à natureza em condições ambientalmente seguras, protegendo o ambiente e salvaguardando o bem-estar de todos.

Fomentar o sentido de pertença e comunidade é um dos desafios deste projeto que, por via das ações virtuais, torna mais interativa a educação para o desenvolvimento sustentável, assegurando a continuidade dos aspetos sociais da aprendizagem.

O recurso a materiais multimédia didáticos, nomeadamente, visitas virtuais 2D, à ETA e ETAR, workshops de ciência experimental e apresentações interativas, contribuem para que a comunidade possa focar as suas capacidades de processamento nos conteúdos que são de facto essenciais em prol da adoção de práticas e atitudes sustentáveis na gestão eficiente do Ciclo Urbano da Água.

AdCL aproxima comunidade à sustentabilidade ambiental

Caminhamos juntos, com a comunidade, desde 2015, (re)criando a sensibilização e consciencialização na adoção de atitudes e comportamentos, em prol do Desenvolvimento Sustentável, a pensar no futuro de todos.

Por ocasião do Dia Mundial da Educação Ambiental, a 26 de janeiro, paralelamente à modernização digital da sua oferta de educação para a sustentabilidade, fruto da simbiose entre as novas tecnologias e os novos media, a AdCL apresenta-se mais próxima da comunidade, ultrapassando as limitações físicas e temporais.

Intitulado “Água, Valorizar para a sustentabilidade”, o Plano de Educação Ambiental, para a valorização deste bem essencial à vida, é um projeto que, tem vindo a ganhar notoriedade e reconhecimento, ano após ano, consolidando o compromisso de melhoria contínua para com os seus demais stakeholders.

A importância de cuidar do Meio Ambiente e a necessidade de existirem princípios comuns que proporcionem à sociedade uma inspiração e um caminho para preservar e melhorar o nosso ambiente encontram-se retratados na Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, celebrada a junho de 1972.

O Dia Mundial da Educação Ambiental é comemorado a 26 de Janeiro, desde a Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente de 1972, em Estocolmo, Suécia.

Mergulhe no conhecimento e adoção de estilos de vida mais responsáveis, consentâneos com a disponibilidade de recursos e os limites do Planeta, conforme preconizado pela Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020 (ENEA), onde as temáticas do Referencial de Educação Ambiental para a Sustentabilidade (REAS) e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) interdependem.

Consulte o Plano de Educação Ambiental, na íntegra, e agende o seu pedido de Ação para a Sustentabilidade e/ ou Visita a infraestrutura. Para mais informações, clique aqui

Mais saneamento no município de Mira

Construção de duas estações elevatórias e cerca de 7,6 km de condutas vai permitir a ligação de novos pontos de entrega do município de Mira ao sistema da Águas do Centro Litoral.

A Águas do Centro Litoral lançou, esta semana, mais um concurso público internacional, desta vez para a execução da empreitada Ligações “alta”/ “baixa” em Mira – Zona Norte, num valor total de 1,5 milhões de euros. Uma empreitada que consiste na construção de duas estações elevatórias [EEM1 (Seixo) e EEM2 (Cabeças Verdes)] e ainda 2.050 metros de emissário gravítico e 5.530 metros de conduta elevatória.

Esta Empreitada é mais uma medida que procura contribuir para solucionar o problema de saneamento no concelho, e vem, assim, promover o alargamento do Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e de Saneamento do Centro Litoral de Portugal, servindo a totalidade do Município de Mira, na vertente de águas residuais em “alta”.

O objeto destas obras diz respeito à expansão do sistema de drenagem de águas residuais em Mira Norte, com a ligação a novos pontos de entrega do município de Mira ao Intercetor Sul da AdCL, conciliado com a Águas do Baixo Mondego e Gândara (ABMG), sendo esta empresa responsável pelos investimentos na rede em “baixa”.

Este investimento irá fazer a recolha e transporte dos efluentes produzidos nas freguesias de Carapelhos e Seixo e parte da de Mira, no lugar de Cabeço, abrangendo uma população total no ano horizonte de projeto de 3 mil habitantes. O volume a recolher e transportar será de 432 m3 /dia, em período de tempo seco, e de 864m3/ dia, em período de tempo húmido.

Recordamos que a AdCL e todas as entidades envolvidas estão a trabalhar e a desenvolver esforços conjuntos no sentido de minimizar eventuais impactos negativos para o ambiente e para as populações, designadamente reduzir ao máximo a descarga de excedentes e controlar as descargas no meio hídrico nos períodos de sobrecarga do sistema.

Para consultar a planta de Localização geográfica das ligações Mira Norte, clique aqui

Mais eficiência e segurança na telegestão

Gestão operacional, por meios remotos, mais eficaz e segura no controlo dos processos de água e saneamento

A Águas do Centro Litoral reformulou o seu Sistema de Telegestão do Polo Mondego, tendo com isso assegurado maior disponibilidade, eficiência e segurança no processo de gestão operacional remota das suas instalações.

A Águas do Centro Litoral (AdCL) concluiu no final de 2020 o projeto de reconversão dos anteriores sistemas de telegestão autónomos de abastecimento de água da Boavista/Ronqueira e de saneamento de águas residuais do Mondego numa única plataforma tecnológica.

Mais de dez anos após a respetiva implementação, estes sistemas de telegestão foram agora reconvertidos no atual Sistema de Telegestão de Abastecimento de Água e Saneamento do Polo Mondego (que passa a abranger as infraestruturas dos municípios de Ansião, Arganil, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Góis, Leiria, Lousã, Mealhada, Miranda do Corvo, Penacova, Penela, Vila Nova de Poiares), tendo sido redesenhada a sua arquitetura e atualizadas as suas componentes de hardware e software, tornando-o assim mais eficaz e mais seguro.

Inserido no Plano Estratégico para a Telegestão da AdCL, orientado para a otimização tecnológica, funcional e operacional dos seus sistemas de telegestão e de automação, este projeto permite adquirir melhores níveis de funcionalidade, disponibilidade e segurança na gestão operacional das instalações, assim como incrementar a qualidade e a agregação de dados operacionais, gerando informação acessível aos vários serviços e suportando melhor a decisão estratégica e operacional da empresa.

Esta reformulação incluiu, além da substituição do hardware servidor e cliente e da atualização do software SCADA para as versões mais atuais, a instalação de um novo centro de despacho de saneamento na ETAR do Choupal, a renovação do centro de despacho de abastecimento de água da Boavista e a implementação de uma arquitetura de segurança da rede OT e sua ligação à rede IT, aplicando aqui os mais recentes conceitos e boas práticas em matéria de segurança de sistemas. Incluiu ainda a uniformização gráfica e funcional das ferramentas de gestão remota e a criação de uma base de dados operacional agregadora dos quatro sistemas de telegestão da empresa: Mondego (abastecimento e saneamento); Lis (saneamento); Ria (saneamento) e Mata do Urso (abastecimento).

Para conhecer a origem e evolução dos Sistemas de Telegestão da AdCL, clique aqui

Sistemas de Telegestão mais tecnológicos

Os Sistemas de Telegestão da AdCL permitem monitorizar o estado de condição e de sensorização das instalações, assim como comandar, por via remota, os equipamentos e sistemas hidráulicos em “alta” geridos pela AdCL, tanto a nível de abastecimento de água como de tratamento de águas residuais, centralizando todos processos operacionais e permitindo o controlo em tempo real do sistema, com vista a uma pronta atuação perante as ocorrências diárias.


Atualmente, estas plataformas já centralizam a operação de mais de 90% das instalações de abastecimento de água e saneamento da AdCL, contribuindo dessa forma para a gestão sustentável do ciclo da água (desde a captação, tratamento, transporte e distribuição em “alta”, até à recolha e rejeição do efluente).


A aposta na Telegestão na AdCL iniciou-se em 2004 com a implementação do sistema de telegestão de saneamento do Polo Ria, seguindo-se-lhe o sistema de telegestão de saneamento do Polo Lis, em 2007, e os sistemas de telegestão de abastecimento de água da Boavista e de saneamento do Mondego, respetivamente em 2010 e 2011. Em 2014 foi concluída a implementação do sistema de telegestão de abastecimento de água da Mata do Urso (Leiria).


Tem-se assim mantido e dado consequência à necessidade da empresa se dotar de ferramentas de gestão técnica, operacional e de decisão que lhe permita responder com elevada eficiência e qualidade de serviço à grande dispersão geográfica do Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e Saneamento do Centro Litoral e ao elevado número e complexidade de instalações, otimizando dessa forma a utilização dos seus recursos humanos e materiais.

A grande vantagem deste tipo de plataformas reside na capacidade de virtualmente transferir para um único local de controlo operacional (o centro de despacho) a quase totalidade da informação gerada nas instalações do sistema e a capacidade de atuar sobre a maior parte dos respetivos equipamentos. Acrescem ainda as vantagens relacionadas com o tratamento e disponibilização de informação operacional, assim como a capacidade de realização de uma importante parte das intervenções de assistência técnica ao próprio sistema de telegestão e às infraestruturas de automação.


A AdCL gere sete (7) Estações de Tratamento de Água (ETA), 195 estações elevatórias de abastecimento de água e saneamento e 58 reservatórios, 67 Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) e 1.191 km de condutas e emissários.

Em 2020 a AdCL concluiu a reformulação da sua telegestão no polo mondego, tornando-a mais eficaz e segura, conheça a noticia na íntegra

Esta reformulação no Polo Mondego, que teve um investimento de 400 mil euros foi o primeiro dos projetos de reformulação de sistemas de telegestão previstos no Plano Estratégico para a Telegestão da AdCL a ser concluído, estando já em curso o projeto de reformulação dos sistemas de telegestão do Polo Lis e do Polo Ria. O projeto de reformulação do sistema de telegestão da Mata do Urso encontra-se previsto para 2022.

Mural de aquário gigante em Águeda

AdCL associa-se ao município de Águeda e recria aquário gigante, na zona ribeirinha. Uma pintura artística, alusiva à campanha “O Mar Começa Aqui”, que visa a sensibilização da comunidade para a preservação da qualidade ambiental.

A iniciativa de amanhã marca a renovação da parceria de colaboração ambiental entre a AdCL e a ABAE, no âmbito da campanha "O mar começa aqui", tendo como anfitrião o município de Águeda.

Valorizar, conservar e proteger são alguns dos objetivos definidos pela AdCL na materialização deste projeto, na sua área de intervenção, tendo por objetivo a sensibilização da comunidade para a preservação dos ecossistemas e da biodiversidade em geral e da qualidade da água doce e salgada em particular.

Esta intervenção pictórica, dinamizada por Tiago Hacke, artista ambiental, transmite a sensação de caminhar dentro de água, um mergulho pela visualização e conhecimento das espécies nativas de água doce, o rio Águeda, meio hídrico no qual desagua a água das sargetas/ sumidouros.

Em estilo de oceanário, ao percorrer o local, pelas tonalidades azuis esverdeados intensos, será possível visualizar um trintão, ruivacos, bogas, lúcios, barbos, lampreias, a mítica lontra europeia, uma alusão à mascote da AdCL, entre outros peixes autóctones da região.

A AdCL salienta ainda a pertinência desta iniciativa pelo desconhecimento da sociedade de que as sarjetas/ sumidouros servem apenas para recolher e transportar as águas das chuvas até ao meio hídrico.

A carência de respeito e valorização para com o meio ambiente, visível na incorreta deposição de lixo na via pública, predominando as beatas, plásticos e papel é uma problemática emergente.

Urge a necessidade de reforçar a educação se sensibilização ambiental. Nesse sentido, à semelhança da campanha “O Cano é que Paga”, ativada pela AdCL fruto da incorreta rejeição dos resíduos sólidos na sanita e ralo, a empresa pretende reforçar a valorização do ambiente junto da comunidade, desta feita através da consciencialização de que a via pública não é um caixote do lixo, recorrendo à campanha “O mar começa aqui, o mar começa em ti”, em parceria com a ABAE.

Materializando a valorização do meio ambiente, esta pintura artística integra a participação de jovens alunos, do concelho de Águeda, estimulando de forma criativa a consciencialização ambiental e paixão pela arte plástica. Através de sublimes pinceladas, vão dar forma visual à sensibilização para a conservação das espécies através da consciencialização para a não poluição das áreas de escoamentos pluviais.

Serviço de abastecimento de água reforçado em V.N. de Poiares

A Águas do Centro Litoral reforça, a partir de hoje, o serviço de abastecimento de água a Vila Nova de Poiares, através da entrada em funcionamento de duas ligações de abastecimento de água. Duas empreitadas que vêm reforçar o serviço de qualidade em abastecimento de água em Vila Nova de Poiares, num investimento total de 910 mil euros.

A sessão foi presidida pelo Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e contou com a presença do Presidente de Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares, João Miguel Henriques, dos membros do Conselho de Administração da Águas do Centro Litoral, Alexandre Oliveira Tavares (Presidente do Conselho de Administração) e Filipa Alves e Sandra Santos (Administradoras) e do Administrador da Águas de Portugal, João Pedro Neves, entre outros.

A primeira empreitada consistiu na construção de duas novas ligações, através do Subsistema de Abastecimento de Água da Ronqueira, que permitem a adução de água aos reservatórios municipais de Casais (Vila Nova de Poiares) e Vale do Tronco (Penacova).
Uma obra, cujo investimento rondou os 260 mil euros e permite, em muito, melhorar a disponibilização em contínuo de água a quatro pontos de entrega e reservatórios municipais, abrangendo cerca de 900 habitantes dos dois municípios.
Como entidade responsável pela captação e tratamento de água, a AdCL fornece uma água de qualidade, garantida pela qualidade das origens, pelos processos de tratamento e pelo controlo analítico ao longo de todo o sistema de abastecimento, desde a captação, tratamento até à distribuição às entidades gestoras em “baixa” (câmaras municipais, Águas de Coimbra e outros).
A água da AdCL é uma água tratada, de excelente qualidade, sujeita a análises diárias, cumprindo os requisitos legais nacionais e europeus. Um serviço de qualidade que permitirá, por sua vez, aos municípios assegurar a distribuição desta água de excelência ao consumidor final. Mais de 900 habitantes da região vão, assim, passar a ter uma água de qualidade e quantidade.

O Subsistema de Abastecimento de Água da Ronqueira entrou em funcionamento em 2011 e teve um investimento total de mais de 9 milhões de euros cofinanciado pelo Fundo de Coesão da União Europeia em 53%, permitindo servir as freguesias de Penacova e Vila Nova de Poiares, através do rio Mondego.
Este Subsistema serve, assim, as freguesias de Penacova, Friúmes, Oliveira do Mondego, Paradela, São Paio de Mondego, São Pedro de Alva e Travanca do Mondego, Lorvão, Figueira de Lorvão, Sazes do Lorvão (Município de Penacova) e as freguesias de Lavegadas, São Miguel de Poiares, Arrifana e Poiares (Santo André) (Município de Vila Nova de Poiares), representando cerca de 25 mil habitantes.
O Subsistema de Abastecimento de Água da Ronqueira incluiu a construção de uma Estação Elevatória, seis Reservatórios e cerca de 41 km de condutas adutoras, e ainda a remodelação da ETA da Ronqueira e das Captações, já existentes, bem como de quatro Estações Elevatórias (que servem os Reservatórios de Albarqueira, Arrifana, São Pedro Dias e Travanca do Mondego).

Com vista a garantir a disponibilidade de água de qualidade para todos, foi, também, concluída a empreitada de execução da conduta adutora Outeiro do Crasto – Entroncamento que vem dar resposta à necessidade, manifestada pelo município, de abastecimento de água a novos aglomerados populacionais.
Esta obra, cujo investimento rondou os 650 mil euros, consistiu na construção de uma conduta adutora, de cerca de 7 km de extensão, que interliga o reservatório de Outeiro do Crasto (pertencente ao Subsistema de Abastecimento de Água da Ronqueira, da AdCL) ao reservatório do Entroncamento (instalação em “baixa”, pertencente ao município), com a criação de um ponto de entrega de água no percurso, na zona de Vale de Viegas.
As intervenções previstas inserem-se numa ótica de otimização energética da conceção do sistema de adução aos reservatórios que abastecem o município, sendo de componente civil, hidráulica e eletromecânica, com a instalação de nós de ligação a montante e a jusante da adução, adaptados com os devidos sistemas de controlo e regulação às infraestruturas existentes.
A gestão da energia é uma das prioridades estratégicas da AdCL e do Grupo AdP - Águas de Portugal, no quadro da promoção de níveis de eficiência que garantam a ecoeficiência e a sustentabilidade das suas operações de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais, tendo implementado um Plano de Eficiência e de Produção de Energia (PEPE), que integra um conjunto de metas e objetivos para o período 2017-2020, que permitirá melhorar o seu desempenho energético.

Água em qualidade e quantidade

A Águas do Centro Litoral apresentou, hoje, dia 10 de novembro, o Complexo de Alagoa/ Feijoal (Captação e Estação de Tratamento de Água de Alagoa), em Arganil, uma obra que vai permitir servir mais de 10 mil pessoas.
A sessão foi presidida pelo Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e contou com a presença do Presidente de Câmara Municipal de Arganil, Luís Paulo Costa, e executivo, dos membros do Conselho de Administração da Águas do Centro Litoral, Alexandre Oliveira Tavares (Presidente do Conselho de Administração) e Administradoras e do Administrador da Águas de Portugal, João Neves, entre outros.

As empreitadas de Abastecimento de Água de Arganil, adjudicadas à MRG Construction, no valor de quase 3 milhões de euros, consistiu na renovação/ reabilitação de dois subsistemas de abastecimento existentes em Arganil, o SAA Alagoa e SAA Feijoal, que foram unidos em apenas um.
Além da construção de uma nova captação, as obras incluíram, ainda, a reabilitação da captação existente e da Estação de Tratamento de Água (ETA) de Alagoa e reservatórios e a desativação da captação e da ETA do Feijoal.

A ETA de Alagoa, agora reabilitada, tem capacidade para fornecer, no horizonte de projeto, um volume de 2.514 m3/dia e servirá as populações atualmente atendidas, nomeadamente as freguesias de Arganil, Pombeiro da Beira, Secarias, Sarzedo e São Martinho da Cortiça do Município de Arganil, parte da freguesia de Alvares do Município de Góis e parte da freguesia de Penacova do Município de Penacova, representando, no ano horizonte (30 anos), 10.250 habitantes.

As duas empreitadas tiveram por objeto a renovação/reabilitação de dois subsistemas de abastecimento existentes em Arganil, o SAA Alagoa e SAA Feijoal, que serão unidos em apenas um, integrando as seguintes infraestruturas: ETA de Alagoa e estações elevatórias; conduta elevatória de adução de água ao reservatório de Arganil III; conduta elevatória de adução de água ao reservatório de Secarias II; conduta elevatória de adução de água ao reservatório de Sarzedo; conduta elevatória e gravítica de adução de água ao reservatório de Feijoal; reservatório de Arganil III; reservatório de Feijoal; estação elevatória de Feijoal; pontos de entrega aos cinco reservatórios municipais e ainda a construção de uma nova captação, a reabilitação da captação existente e a construção do edifício de exploração.

Este reforço de abastecimento de água ao município de Arganil pretende resolver a variação de qualidade de água na origem, influenciada pela albufeira da barragem das Fronhas.

Para concluir o abastecimento de água ao concelho de Arganil, a AdCL tem ainda em curso, a “Empreitada de abastecimento de água de Arganil – SAA de Alqueve, Pomares e Vila Cova do Alva”, que pretende remodelar/ reabilitar mais três subsistemas de Abastecimento de Água em Arganil.

A AdCL está empenhada no cumprimento dos seus compromissos para com os municípios, garantindo-lhes um serviço de qualidade em prol de um melhor ambiente.

PROCESSO DE TRATAMENTO DA ETA DE ALAGOA
A ETA de Alagoa está, agora, preparada para fornecer uma qualidade de água tratada, capaz de obedecer as características físico-químicas definidas no Decreto-Lei n.º 306/2007, de 27 de Agosto, relativa à qualidade das águas destinadas para consumo humano.

A solução de tratamento consistirá, no que diz respeito à fase líquida de tratamento das águas brutas afluentes à ETA, numa cascata de arejamento, de três patamares. Após concluída a etapa de arejamento, ocorrerá a pré-oxidação da água bruta. Esta pré-oxidação consiste na adição de água clorada à água bruta.
Uma vez pré-oxidada, a água bruta dará entrada na câmara de remineralização. Nessa câmara, será adicionado dióxido de carbono gasoso, para uma melhor reação do CO2 com a água a remineralizar.
A esta etapa seguir-se-á uma etapa de correção da agressividade da água, na câmara de coagulação, através de leite de cal, por forma a corrigir o equilíbrio calco-carbónico da água. Na câmara de coagulação, para além do leite de cal doseado, será aplicado um caudal de agente coagulante para que ocorram fenómenos de coalescência e a matéria coloidal se agregue para formar flocos decantáveis.
Unicamente por fenómenos gravíticos, a água afluirá, de seguida, à etapa de floculação, que consistirá em três câmaras, dispostas sequencialmente, com gradientes de velocidade decrescentes, onde se promoverá o crescimento do material floculento.
De seguida, e para remoção dos flocos produzidos, a água afluirá graviticamente a dois decantadores, onde ocorrerá a precipitação do material floculento e sua remoção da linha de tratamento (decantação).
Finalmente, a água decantada seguirá para a etapa de filtração, constituída por quatro filtros de areia, onde será removida a matéria particulada que não foi passível de decantação.
A água filtrada afluirá graviticamente a um reservatório para a desinfeção com água clorada, e correção de pH, antes de ser encaminhada para o reservatório de água tratada da ETA.
Uma vez no reservatório de água tratada, os grupos elevatórios farão a elevação da água para os respetivos reservatórios da AdCL e municipais para depois serem distribuída à população.

FASE SÓLIDA
A solução de tratamento das lamas provenientes da etapa de decantação, bem como das águas de lavagem da etapa de filtração (fase sólida) consistirá na homogeneização de lamas, espessamento gravítico e desidratação de lamas.
As lamas espessadas serão depois encaminhadas, ou diretamente para uma unidade móvel que realizará a sua recolha e encaminhamento para desidratação, ou para leitos de secagem nos quais serão desidratadas antes de as conduzirá a destino final.

Veja a visita completa aqui:

AdCL com frota certificada MOVE+

A frota de ligeiros da AdCL, com 90 viaturas, alcançou a classificação B, no âmbito do desenvolvimento de um projeto piloto da ADENE. Uma distinção que vem reforçar o compromisso de melhoria contínua assumido pela empresa, na persecução das metas de sustentabilidade ambiental, um dos nossos focos de ação prioritários.

A certificação energética, um dos objetivos definidos para 2020 no Plano de Eficiência de Energia Elétrica (PEPE) do Grupo AdP, visava uma mobilidade eficiente para a transição energética, um feito concretizado. Esta distinção converteu, assim, o Grupo AdP no primeiro grupo empresarial público português a obter esta certificação. 

"Este certificado é um motivo de orgulho pelo caminho desenvolvido pela empresa e pelo empenho da equipa da frota em preparar toda a documentação e informação necessária para comprovar e permitir a evidência dos resultados obtidos que permitirão alcançar o resultado! Estamos de parabéns e mobilizados para a melhoria contínua!", frisa a administradora executiva da AdCL, Filipa Alves.

A certificação energética da frota analisa as práticas adotadas em cada empresa na gestão daquelas áreas: viaturas, condutores, manutenção e consumos. O processo de avaliação decorreu sobre os dados de 2018 e 2019, envolvendo a realização de auditoria por Auditores de Frota MOVE+.

A AdCL faz agora parte de um lote restrito de empresas com esta certificação, entre elas o grupo AdP, tendo conquistado a melhor classificação, na totalidade das percentagens somadas, facto que muito honra toda a equipa e que em simultâneo imprime a esta empresa um comprometimento ambiental cada vez mais ambicioso.

O MOVE+ é um sistema de avaliação e classificação do desempenho energético de frotas automóveis, criado pela ADENE para promover a mobilidade eficiente. Para além de classificar a frota, o MOVE+  permitiu também identificar as MEDIDAS DE MELHORIA  que constam no certificado, as quais poderão permitir nos próximos anos alcançar a classificação A.

Para consultar o certifica​do MOVE, clique aqui

​Para consultar o ​​teaser do projeto MOVE +, clique aqui

Digestores da ETAR de Ílhavo em manutenção

Intervenção, de 592 mil euros, consiste na reabilitação do interior dos digestores com material plástico, aumentando resiliência destes órgãos.

A Águas do Centro Litoral assinou o contrato da Empreitada de Reabilitação dos Digestores da ETAR de Ílhavo com a empresa José Marques Grácio, S.A., tendo a fiscalização da obra sendo consignada à empresa RIOBOCO - Serviços Gerais, Engenharia e Manutenção, S.A..

Esta obra cujo investimento representa cerca de 592 mil euros tem um prazo de execução de um ano e visa criar maior resistência aos dois digestores da estação de tratamento de águas residuais (ETAR) de Ílhavo. Trata-se de uma intervenção de reabilitação do interior, através da aplicação do revestimento em chapa termoplástica para proteção de betão, enquadrando-se na política da AdCL de reabilitação dos seus ativos críticos em funcionamento, designadamente através da implementação de soluções duradouras e que minimizem intervenções futuras.

Com o tempo de utilização e, considerando as características do afluente que chega à ETAR todos os dias e que conduz a um desgaste mais intenso do que o habitual em equipamentos do mesmo tipo noutras atividades, todos os equipamentos instalados necessitam de manutenção. Neste quadro, a AdCL tem previstos três tipos principais: investimento em novas infraestruturas e equipamentos; investimento na requalificação e melhoria do existente; e investimento de manutenção.

Neste contexto, e após inspeção dos dois digestores da ETAR de Ílhavo verificou-se alguma degradação dos mesmos, devida à agressividade da atmosfera no interior do órgão, relacionada com elevado concentração de H2S ( gás sulfídrico) em permanência. Os dois equipamentos, em funcionamento desde 2002, aquando a construção da ETAR, estão na origem da produção de energia em ETAR, assumindo, assim, especial importância neste processo. O que acontece é um processo biológico, que ocorre nos digestores, em condições de ausência de oxigénio e a cerca de 35ºC, se dá a degradação da matéria orgânica da lama, com formação de biogás armazenado em gasómetro. Posteriormente, o biogás produzido na digestão anaeróbia, rico em metano, é queimado numa unidade de cogeração para produção de eletricidade e calor. A eletricidade produzida é vendida para a rede pública e o calor aproveitado para aquecimento das lamas na digestão.

A ETAR de Ílhavo está preparada para receber e tratar os efluentes provenientes dos concelhos de Aveiro (parte), Cantanhede, Ílhavo, Mira e Vagos, representando 159 mil habitantes-equivalentes e cerca de 39.278 m3­/ dia.

A solução de tratamento desta ETAR baseia-se num sistema de tratamento secundário, adotando um processo de tratamento biológico com base no sistema de lamas ativadas em regime de arejamento prolongado, com remoção da matéria orgânica. Através de processos físicos e biológicos, são removidos da água os detritos sólidos e a matéria orgânica dissolvida.

Posteriormente, os subprodutos orgânicos resultantes do tratamento das águas residuais são sujeitos a tratamento, com vista à redução do seu volume e à produção de biogás.

No final do processo de tratamento, o efluente tratado é devolvido ao meio recetor (Oceano Atlântico), através do Exutor Submarino de S. Jacinto.

Este investimento, agora consignado, está em alinhamento com a missão e visão do negócio da AdCL, que visam, essencialmente, a preservação do meio ambiente e da saúde pública.