"O Cano é que Paga"


O projeto de sensibilização ambiental “O Cano é que Paga” teve início em 2013, em Leiria, e surgiu com o objetivo de esclarecer a população sobre as consequências da colocação de resíduos sólidos no esgoto, uma problemática de difícil assimilação visto que as consequências desta prática não são visíveis para a maior parte da população.

O desafio passou, assim, por desenvolver uma estratégia criativa e apelativa, assente em dois pilares, a música e as artes plásticas, adotando-se um conceito criativo que associa para, além da transmissão de boas práticas, a educação pela arte, especificamente a música e as artes plásticas, através da mensagem unificadora da campanha.
 
Em 2015, a Águas do Centro Litoral apresentou o Xilocano, um instrumento musical único, composto por canos de saneamento, com sonoridades exclusivas, desenvolvido pelo Maestro Alberto Roque. No ano anterior, tinha sido apresentado, também, o Sanitofone. Dois instrumentos que utilizam equipamentos de saneamento com o objetivo de sensibilizar a população para a não colocação de resíduos sólidos no esgoto.

Em 2017, por ocasião do Dia Mundial da Água, e sendo as águas residuais a temática, a Águas do Centro Litoral apresentou, em Coimbra, a campanha "O cano é que paga".  

Esta apresentação ocorreu no CoimbraShopping e na EHTC, através da decoração das casas de banho, com mensagens alusivas à campanha e através da dinamização de momentos musicais promovidos com recurso a uma jukebox, promovendo a sensibilização da população e comunidade escolar para a adoção de boas práticas ambientais.


No âmbito da sua missão de recolha, transporte, tratamento e rejeição, a Águas do Centro Litoral é sujeita a inúmeros desafios. Um exemplo disso são os entupimentos que ocorrem aquando do transporte das águas residuais, através de emissários e estações elevatórias em resultado da afluência de quantidades significativas de resíduos sólidos à ETAR. A presença destes resíduos, desde sacos de plástico, toalhetes, esfregões, a cotonetes entre outros, que aumentam a probabilidade de degradação das infraestruturas de recolha e tratamento o que, consequentemente pode conduzir à deterioração da qualidade dos recursos.

Com esta campanha, a AdCL pretende, assim, além de sensibilizar a população, alertar para os prejuízos e quebras de serviço causados pelos entupimentos e obstruções nos emissários.

undefined

Publicado a: 21 de Março de 2017