AdCL apresenta solução para saneamento em Mira e Cantanhede


Secretário de Estado do Ambiente e Autarcas empenhados no envolvimento da população


undefined undefined

Esta sexta-feira, dia 21 de junho, realizaram-se duas sessões, nos Municípios de Mira e Cantanhede, para a apresentação e esclarecimento da solução do sistema em "alta", para fazer face ao excesso de caudais naquela região, que se verificam desde 2014.

Presente nas duas sessões de apresentação da nova ETAR Mira-Cantanhede, num valor total de investimento que ascende aos 10M€, o Secretario de Estado do Ambiente afirmou esta sexta-feira, que “esta é uma solução que se impõe com brevidade, dado o tempo que ocorre este problema de afluências indevidas e com possíveis graves consequências ambientais, nomeadamente para a lagoa e barrinha de Mira”. 

Dado que a ETAR de Ílhavo, mais distante, não é suficiente para resolver o problema do tratamento de efluentes, destes dois concelhos, a Águas do Centro Litoral apresentou, em dois momentos, aos autarcas locais a solução prevista, nomeadamente a construção de uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR) com tratamento Terciário (desinfeção total do efluente). “Hoje, mais do que nunca, é premente centrar todos os esforços na conservação da natureza e no tratamento eficiente de recursos hídricos, com a devolução da água à natureza no melhor estado. Esta é uma responsabilidade de todos, dos cidadãos, das autarquias e do estado central”, vaticina o Senhor Secretário de Estado, João Ataíde. 

Preocupação dos autarcas de Cantanhede e de Mira, promotores das sessões realizadas, estão as soluções mitigadoras de curto prazo. Assim, além da solução apresentada, a ser executada no prazo de cerca de 3 anos, serão ainda tomadas medidas que reduzirão a ocorrência de episódios. 

Raul Almeida, Presidente do Município de Mira, manifestou o seu agrado pela preocupação de primeira hora do Senhor Secretário de Estado do Ambiente por esta matéria, recordando no entanto que esta situação se arrasta há demasiado tempo com claros prejuízos para o Município de Mira. “É importante que a solução agora apresentada seja concretizada com a maior brevidade possível mas é fundamental que sejam implementadas medidas no imediato para melhorar o sistema no período de construção da ETAR”, referiu o Presidente da edilidade Mirense, propondo ainda um grupo de trabalho que acompanhe permanente todos os trabalhos a realizar.

A Agência Portuguesa do Ambiente, também presente nas sessões, refere ainda que esta é a melhor solução para a resolução da atual situação e adianta que o efluente tratado, com desinfeção total, será uma mais-valia para aquela bacia, uma vez que permitirá  a reposição do seu nível freático. 

Por sua vez o Presidente da Águas do Centro Litoral, Nelson Geada, saudando o consenso obtido num processo moroso e difícil, declarou que a Empresa iniciará desde já o processo para obtenção das autorizações e licenças necessárias ao lançamento das obras. No que respeita às medidas mitigadoras e para além das elencadas na apresentação técnica, deu nota da inteira abertura da Águas do Centro Litoral para, com as duas autarquias, tomar todas as medidas necessárias à minimização dos impactos no sistema hídrico da Veia Real até à conclusão da infraestrutura a construir.





Publicado a: 22 de Junho de 2019