AdCL e ICNF promovem recuperação do ecossistema em São Jacinto


undefined


A Águas do Centro Litoral (AdCL) e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) promoveram no dia 16 de abril, no Centro de Interpretativo da Reserva Natural das Dunas de São Jacinto, uma ação de recuperação do ecossistema e a florestação na Mata Nacional e Reserva Natural das Dunas de São Jacinto.

Esta ação, que contou com a presença do Ministro do Ambiente, da Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, do Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, do Presidente da Câmara Municipal de Aveiro, da Presidente do Conselho Diretivo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e do Presidente do Conselho de Administração da Água do Centro Litoral, entre outras personalidades, surge na sequência das comemorações do Dia Internacional das Florestas (DIF), que é assinalado a 21 de março, e do Dia Mundial da Água, no dia 22 de março.

Nas celebrações do Dia Internacional das Florestas de 2016, as Nações Unidas realçaram particularmente o papel fundamental das florestas quer enquanto regulador do ciclo da água e componente básica de suporte à vida, quer no abastecimento de água às populações, em qualidade e quantidade.

Complementarmente, a proliferação de plantas exóticas invasoras constitui hoje um dos principais focos de ameaça aos habitats naturais, pelo que as ações que visam o seu controlo, com a plantação de espécies autóctones, constituem ações importantes para a recuperação dos referidos habitats.

Sendo uma Empresa do setor da água, a Águas do Centro Litoral tem como missão promover a sustentabilidade na utilização de recursos naturais, desenvolvendo ações que visam a preservação da água enquanto recurso estratégico essencial à vida e a promoção de soluções integradas para gestão do ciclo da água (tendo a floresta um papel fundamental). É nesse sentido, que se associa ao ICNF nesta intervenção, cuja área a intervir tem  uma dimensão aproximada de 4,5 hectares, prevendo-se a plantação de cerca de 3.500 árvores (Pinheiro Manso e Medronheiro).

undefined  undefined

undefined  undefined


Publicado a: 18 de Abril de 2016